Tratamentos Com Hipnose

DEPRESSÃO
DEPRESSÃO

A depressão se apresenta como uma falta de gosto pela vida, como um transtorno afetivo e do humor. O indivíduo depressivo normalmente tem uma visão distorcida da realidade e não consegue perceber um futuro que seja prazeroso. Apresenta apatia frente aos diferentes estímulos que a vida lhe apresenta. A depressão é uma alteração no pensamento, uma quebra de raciocínios que antes seguiam uma linha e que agora mediante a este novo estado, começa a pensar e sentir de uma forma até mesmo incoerente. Perdendo um pouco o próprio sentido da vida, suas motivações e objetivos enquanto ser Humano. Este transtorno não é apenas psíquico, também é físico na medida que há uma baixa na produção de serotonina, o hormônio que proporciona as sensações de prazer no corpo, sendo as vezes necessário medicamentos. Isso acontece na medida em que métodos de psicoterapia não são suficientes ou ter procurado um profissional depois de um certo tempo do sintoma se manifestar. A hipnose, possibilita diferentes articulações do pensar, o que pode proporcionar mudanças específicas, onde o indivíduo ao vir pensando de uma certa forma, um pensamento viciado, ou mesmo contagiado pelo problema da depressão, pode modificá-lo. O paciente precisa ver transformada suas formas de perceber a si mesmo, o mundo e seu próprio futuro, do negativo para o positivo. Com a hipnose, é possível colocá-lo em diferentes situações no presente e futuro, onde possa se imaginar já com uma nova realidade. Ver-se em diferentes situações: em casa, com familiares, amigos, no trabalho, na rua ou no clube. O interessante é cobrir o máximo de possibilidades onde o paciente possa se ver nas mudanças de hábitos, pensamentos, comportamentos e nas suas diferentes interações humanas. Na hipnose, também tem-se a possibilidade do transe, que é um pensamento direcionado, este proporcionará com ainda maior facilidade a mudança. Desta forma, pode-se ajudar o paciente a reaprender ou mesmo aprender novas formas de reagir frente aos diferentes estímulos, que até então eram de apatia. Como mais gosto, mais prazer, voltando à sua vida normal, conquistando um viver mais equilibrado.

ANSIEDADE
ANSIEDADE

Se você pensar em um futuro péssimo ficará mal de imediato, se pensar em um futuro ótimo irá sorrir de imediato. Ansiedade é um estado de alerta que procura mostrar ao indivíduo que há um perigo eminente. A descarga ansiosa excessiva serve para que a pessoa tome providências seja para o enfrentamento ou para uma fuga da situação.Em psicossomática pode causar ao indivíduo, transtornos mentais, vivências extremas de estresse, alcoolismo, tabagismo (fumar), uso de drogas, obesidade ou mesmo dietas alimentares compulsivas. Uma pessoa angustiada tem medo do nada, o indivíduo ansioso tem medo de tudo. Portanto, nos novos padrões sociais em que vivemos e com auxílio da hipnoterapia o indivíduo consegue estabelecer o seu equilíbrio emocional mais rapidamente evitando assim o descompasso psíquico e problemas diversos em sua vida e rotina.

FOBIAS
FOBIAS

A Fobia Específica é diferenciada basicamente por um medo marcante e acentuado, rotineiramente irracional e persistente de objetos, animais ou situações circunscritas. O indivíduo, ao se deparar com tais estímulos, tem imediata resposta de medo, que vem acompanhada de sintomas físicos intensos, tais como: ansiedade, batimento cardíaco acelerado, ondas de calor e frio, engasgo, sensação de sufocamento, tremores, tontura, desmaio, necessidade de fugir da situação e ataque de pânico. Estes sintomas, também podem ocorrer antecipadamente ao encontro com as situações ou objetos fóbicos. Oportuno se torna esclarecer que, o que está relacionado à fobia específica, são normalmente animais, como cobra, barata, aranha ou ratos (zoofobia), porém não necessariamente peçonhentos, pode ser de qualquer espécie. Medo de altura (acrofobia), lugares fechados (claustrofobia), estar em locais de difícil fuga (agorafobia). O indivíduo, quando deparado com estas circunstâncias pode ter ataques de pânico e desespero, com intenso sofrimento, buscando de todas as formas o isolamento ou fuga do objeto ou circunstância fóbica. Nesse rumo e com a hipnose, busca-se trabalhar esse medo irracional (se for o caso), pois na maioria das vezes o indivíduo reconhece que este é um medo absurdo, porém não sabe como fazer para evitar, ele se vê, se sente impotente e sem forças para lutar com tal gigante. Por vezes subjacente a este medo, existe um trauma que ocorreu em algum momento da sua vida. Pode-se fazer uma regressão de idade, ou mesmo hipermnésia, do momento em que o fato ocorreu e então trazer à lucidez. Desta maneira, possibilita-se que o indivíduo por ele mesmo consiga perceber o porque o medo acontece. E assim ressignificar o ocorrido e eliminar ou lidar melhor com o objeto ou a situação que lhe causa medo. Mas não essencialmente precisa-se ir ao passado, pode-se desenvolver aprendizagens presentes que dão a possibilidade de viver sem o medo, com coragem e autoconfiança.

DORES CRÔNICAS
DORES CRÔNICAS

Problemas de coluna, fibromialgia, neuropatias, artrite, artrose, tendinite, lesões por esforços repetitivos (LER) e câncer são algumas das doenças que causam as chamadas dores crônicas, que geram desconforto intenso e constante. Segundo estudos, cerca de 30% da população sofre com esse mal, ou seja, aproximadamente 62 milhões de brasileiros. O cotidiano de quem lida com esse tipo de patologia é exaustivo e doloroso, principalmente quando os pacientes não conseguem encontrar alívio nem mesmo com o uso de medicamentos. Por conta disso, muitas pessoas têm buscado tratamentos alternativos como a acupuntura, massagem, tai chi e principalmente a Hipnose Clínica. A Hipnose Clínica, pode auxiliar no tratamento das dores crônicas, através da hipnoterapia uma técnica que trabalha em cima do inconsciente do indivíduo. "Nós trabalhamos com o inconsciente, colocando o paciente em um transe hipnótico para identificar a causa do problema, que pode ser tanto físico quanto emocional. Nós aliviamos essas dores por meio do transe. A dor vem do cérebro, logo, nós conseguimos burlar isso através do inconsciente. Criamos  um comando durante o tratamento que gera um botão imaginário, quando a dor está muito forte, ela consegue controlar ao manipular esse botão. Isso funciona também em casos de enxaqueca, que não é uma dor crônica, mas é constante".

MEDO DE DIRIGIR
MEDO DE DIRIGIR

Os fatores que conduzem um indivíduo a ter medo de dirigir, são muitos e diversificados. Cada qual o desenvolve por razões particulares, trazendo relações com sua história de vida, de pessoas que lhe são próximas, ou mesmo por alheios. O contato com o novo pode ser muito amedrontador, e para quem nunca dirigiu, o simples fato de se imaginar guiando um carro, pode trazer tamanha ansiedade que o paralisa. Costumeiramente, pessoas com alto grau de exigência, perfeccionista em sua forma de ser, podem desenvolver tal fobia com mais facilidade. O medo pode ser colocado por quem o ensina, quando há um excesso de sugestões. Manifestando todas as possibilidades negativas, como acidentes, atropelamentos, motoristas imprudentes e a violência no trânsito. A pessoa pode ter presenciado ou vivenciado um acidente, pode ter perdido alguém que amava. Pode sentir-se insegura, incapaz de dirigir, medo de errar, além de diferentes causas psicológicas que apenas com um levantamento detalhado de dados poderia fornecer. Vale lembrar que muitas pessoas até sabem dirigir e dirigiram por um certo tempo, mas, de repente desenvolvem o medo. Por outro lado, outras não conseguem nem sentar-se à frente de um volante. Os sintomas são semelhantes a um ataque de pânico, tais como: ansiedade intensa, taquicardia, sudorese, tremor no corpo, falta de ar, enjoo e boca seca. Nesse sentido e na medida em que o tempo passa, o medo pode agravar-se ainda mais, conduzindo a pessoa até mesmo a uma baixa na autoestima, pelo sentimento de incapacidade. Alguma coisa que para a maioria das pessoas parece ser muito simples, para o fóbico parece impossível. Acaba por achar-se inferior. Esquiva-se de pensar ou se colocar numa situação de estar à frente de um volante. Cria desculpas para si mesmo e para os outros e tem dificuldade de encarar de frente o próprio medo. O primeiro passo é admitir que o medo existe e buscar ajuda para a superação. Portanto, a Hipnose é uma das melhores ferramentas e instrumentos para enfrentar, encarar e superar o medo de dirigir. Posteriormente à classificação das possíveis causas que levaram a tal medo, inicia-se com as técnicas visando a solução. Busca-se um fortalecimento inicial do paciente, em seguida pode-se fazer progressões de idade, por exemplo, colocando a pessoa num estado de relaxamento e de enfrentamento da situação, ou seja, imaginar-se dirigindo de uma forma guiada e segura. Aos poucos, a mente começa a aceitar a ideia com normalidade, até chegar o momento de sentir-se segura para fazer uma autoescola ou mesmo voltar a dirigir. Com a hipnose também serão trabalhadas cada uma das possíveis causas, como o perfeccionismo, o medo de errar e a ansiedade.

GAGUEIRA
GAGUEIRA

A gagueira (tartamudez) conforme o CID-10 conceitua que: "É caracterizada por repetições ou prolongamentos frequentes que perturbam a fluência verbal, que só se considera como transtorno caso a intensidade da perturbação incapacite de modo marcante a fluidez da fala". Sendo assim, a maneira de falar do individuo que gagueja é a parte percebida do problema; a outra parte são as atitudes, valores, medos e sentimentos de cada indivíduo referente à sua imagem falada, e o tratamento deve englobar ambas as partes. Também é caracterizada pela repetição de sons, fonemas, letras ou palavras. É uma série de interrupções no sucessivo discurso falado. O ato pode vir acompanhado de "tiques", como fechar os olhos, além de tensão muscular e emocional intensa, tipicamente percebidos em indivíduos com tal disfluência. Portanto, as causas podem ser de origem psíquica, como traumas ou aprendizagens indesejáveis no passado, a convivência com familiares ou amigos com essa dificuldade. Ou mesmo uma disfluência leve na infância, que pela pressão do ambiente onde está inserido, acaba em gagueira. Por vezes pais autoritários, ansiosos, agressivos e que esperam muito do filho, pode influenciar. Além de possíveis fatores genéticos. As vezes o que temos é um conjunto de causas e não apenas uma. A Hipnose, utilizando a Hipnoterapia, vai atuar em aprendizagens passadas, que possivelmente causaram a gagueira, ou mesmo, aprender coisas no presente que permitam a superação, sem necessariamente ir ao passado. Muitos são os fatores educacionais, familiares e/ou sociais, que tem grande influência e, é importante analisar como o indivíduo vê a si mesmo e ao outro. Se tem momentos em que não gagueja e porque. As vezes, interagir com pessoas agressivas com as palavras piora bastante. Por terem tido uma educação autoritária, quando se veem nessas situações, gaguejam mais. Deste modo, verificar o histórico das aprendizagens do paciente possibilita um diagnóstico, mais preciso. Com a hipnoterapia, se busca um autoconhecimento, o que auxiliará na mudança e na fluência do pensar e do falar, conquistando a normal fluência que é o objetivo do tratamento.

SÍNDROME DO PÂNICO
SÍNDROME DO PÂNICO

A síndrome é um conjugado de sinais ou sintomas que acontecem ao mesmo tempo, e que agregados entre si, motivam a existência de um problema ou dificuldade. Segundo o DSM-4, "um ataque de pânico é representado por um período distinto no qual há o início súbito de intensa apreensão, temor ou terror, frequentemente associados com sentimentos de catástrofes iminentes. Durante esses ataques, estão presentes sintomas tais como falta de ar, palpitações, dor ou desconforto torácico, sensação de sufocamento e medo de 'ficar louco' ou de perder o controle". A repetição desses sintomas num determinado período de tempo, é dado o nome de Síndrome do Pânico. Nesse rumo, as causas podem ser de origem orgânica, como uma disfunção dos neurotransmissores, ou agregadas à disfunções psíquicas, como um medo excessivo e irreal de situações que visivelmente não ofereceriam perigo algum. O início da síndrome pode aparecer em ocasiões distintas, como em uma danceteria, numa rua movimentada, em uma fila de espera ou mesmo em casa. Depois desses ataques que ocorrerem nesses ou em outros ambientes, estes passam a ser evitados, e se for necessário enfrentar, provavelmente existirá um medo muito intenso envolvido. A hipnose proporciona como um método bastante eficaz no tratamento da síndrome do pânico, no alcance em que mostra uma nova realidade que não a do pânico. Por meio de uma mudança na maneira de pensar e agir, é possível aprender a controlar melhor as diferentes situações. Neste sentido, a hipnose irá buscar a raiz psíquica desses medos, possibilitando um entendimento do porque ele existe e a consequente superação do pânico.

EMAGRECIMENTO
EMAGRECIMENTO

É considerado obeso aquele com peso muito acima do nível de normalidade. A quantidade de gordura no corpo supera os 20% considerados normais e começa a ameaçar a saúde. O excesso de gordura está relacionado à ingestão calórica maior que a queima calórica. A obesidade pode ter características genética-hereditárias, ou ainda estar relacionada à certas doenças. Uma das grandes vilãs, é a alimentação precária em termos de qualidade, como lanches e fast-foods. Isso imposto pelo ritmo frenético do nosso dia-a-dia. A ingestão de lanches acaba se tornando necessário pelo pouco tempo que temos para nossas refeições. Conduzindo assim a uma má alimentação, rica em calorias, além disso temos o sedentarismo que agrava ainda mais. A obesidade torna-se cada vez mais uma epidemia global sem precedentes. Associada ao modo de vida e a hereditariedade, temos a parte psicológica que influência. Come-se por ansiedade, por medo, por angústia, come-se para se proteger de algo ou alguém. Come-se simplesmente por prazer, por raiva, por decepção amorosa e tantos outros motivos.É necessário identificar o que leva este paciente em especial a comer da forma que come. Busca-se em sua história de vida conteúdos, pensamentos e aprendizagens que levam a este comer exagerado. A partir do diagnóstico é possível traçar estratégias de mudança. A hipnose possibilita ao paciente a percepção de que existem outras formas, e estas saudáveis de conseguir o que querem, sem precisar ingerir alimentos freneticamente. Sem debilitar o corpo e a mente, e nem ferir o amor próprio.

ALCOOLISMO
ALCOOLISMO

O alcoolismo se caracteriza por um vício, com ingestão regular e excessiva de bebidas alcoólicas, por vezes incontrolável. No alcoolismo pode ser observada a dependência, o abuso, a abstinência e a embriaguez. Tendo como consequências, perdas pontuais de memória, alucinações, alteração de humor, agressividade; distúrbios do sono, sexuais e de ansiedade; e mesmo um delirium tremens, que pode ser fatal. A dependência é condicionada a dois fatores: a busca do prazer ou a fuga da dor. O vício do álcool, obedece a esses dois mecanismos. Por trazer sensações que de alguma forma o agradam, a pessoa acaba por buscar e ingerir cada vez mais. Ao mesmo tempo, quando o indivíduo vive um momento de frustração ou dor, acaba por buscar um refúgio, onde acredita que estará livre deste mal. Entra-se então num ciclo vicioso em que se necessita ingerir cada vez mais álcool, para obter o mesmo prazer. Por outro lado, ficar sem ele, gera a abstinência, que lhe é desagradável, por isso o retorno e continuação do vício. Normalmente o paciente irá negar sua condição de alcoólatra, por isso a dificuldade de identificar o vício, e quando se chega ao diagnóstico, o estágio já está avançado. Nesse momento os danos, física e emocionalmente já trazem prejuízos consideráveis à si mesmo e à família, requerendo um tratamento mais intenso. O paciente precisa estar envolvido com o tratamento e a aceitação de sua condição, sem que isso afete sua auto-estima. Esta sendo importante para a superação de sua condição.Após fazer uma anamnese, ou seja, um levantamento de dados sobre o paciente e sua relação com o álcool, inicia-se o tratamento com a hipnose, que será de acordo com cada paciente. Por vezes, é necessário quebrar alguns padrões que a pessoa estabeleceu entre seus comportamentos, atitudes ou atividades e o álcool. Possibilitando novas condutas, a busca de outras fontes de prazer e aprendendo a lidar com a dor ou frustrações em geral. Estas, que são fontes normalmente motivadoras para a ingestão de bebidas alcoólicas. Assim como, por meio da hipnose sugerir uma vida sem o vício e as possibilidades saudáveis que isso traria.

DOENÇA PSICOSSOMÁTICA
DOENÇA PSICOSSOMÁTICA

Há muito já se escreveu, se discute, se argumenta sobre os efeitos do pensamento sobre o corpo. Pessoas conseguiram "curar-se", o que foi considerado um "milagre", e que isso a medicina pouco explica. Alguns falam, dizem, escrevem de fé, outros que foi o próprio pensamento. O Ser Humano pode de distintas formas, produzir as substâncias de que necessita, tanto para iniciar uma doença ou para curá-la. As substâncias químicas, por exemplo, podem produzir diferentes sensações de uma forma normalmente lesiva. Sendo certo, que o pensamento também é capaz de produzir essas sensações, de forma natural e saudável. Cada indivíduo tem um jeito único de produzir tais substâncias, e únicas são as motivações para produzi-las. Vale esclarecer que a somatização é um distúrbio orgânico instigado pelo pensamento, sendo caracterizado a partir das seguintes idéias: gravidade, qualidade, intensidade e ocorrência. As formas de trabalhá-las são tão variáveis quanto às possibilidades de alterações do pensamento (já que este os provocam). Tais alterações podem ocorrer de forma automática ou não, de forma percebida ou não. Portanto, a Hipnose pode viabilizar e possibilitar um impacto, um choque maior do pensamento sobre o corpo. O transe, sendo um pensamento direcionado, intensificado, energizado e puro, provocará alterações fisiológicas mais intensas. Estas podem levar à produção no corpo, de alguma substância necessária para a cura de uma doença, ou mesmo a melhoria do sistema imunológico, tornando o organismo mais saudável.

FOBIA SOCIAL
FOBIA SOCIAL

A Fobia Social é uma desordem que tem como particularidade, um medo constante e intenso de se expor a situações sociais, são exemplos: tudo o que esteja fora dos ambientes familiares, pessoas diferentes ou lugares diferentes. Os indivíduos costumam evitar o máximo que podem, quando se veem ou se sentem nesta situação "sem saída", o ato é acompanhado de intensa ansiedade, medo e sofrimento por estar se expondo à pessoas ou lugares que não gostaria de estar. Neste sentido, para os pacientes fóbicos, existe uma grande preocupação em saber como o outro verá sua desempenho, performance, atitudes, como por exemplo falar em público. Existe o medo de como será avaliado, o medo de errar, o medo de ser humilhado e passar por situações embaraçosas. O indivíduo com fobia social, normalmente tem um histórico do transtorno, que se inicia na adolescência e se estende pela fase adulta. Dificilmente sem um tratamento o paciente consegue reverter essa forma de pensar. Após de uma anamnese particularizada e detalhada do histórico do paciente, é possível por meio da hipnose provocar certas alterações específicas no pensamento. Alterações estas que conduzirão o indivíduo a ter novas articulações nervosas para a superação do problema. Portanto, este irá ter novas aprendizagens que possibilitarão um enfrentamento diferente do que vinha acontecendo. Até então estava com uma forma de pensar viciada, que lhe causava sofrimento e que depois do trabalho hipnoterapêutico, lhe possibilitará a mudança.e particularizada e detalhada do histórico do paciente, é possível por meio da hipnose provocar certas alterações específicas no pensamento. Alterações estas que conduzirão o indivíduo a ter novas articulações nervosas para a superação do problema. Portanto, este irá ter novas aprendizagens que possibilitarão um enfrentamento diferente do que vinha acontecendo. Até então estava com uma forma de pensar viciada, que lhe causava sofrimento e que depois do trabalho hipnoterapêutico, lhe possibilitará a mudança

ENXAQUECA
ENXAQUECA

A dor de cabeça da enxaqueca pode ser latejante (pulsátil), em peso, ou uma sensação de "pressão para fora", como se a cabeça fosse explodir. Vale esclarecer que, a enxaqueca se distingue por fortes dores na cabeça, surgindo periodicamente, esta acompanhada de náuseas ou vômito, e geralmente é sentida apenas de um lado da cabeça. A crise altera de indivíduo para indivíduo, vai de algumas horas à alguns dias. A intensidade da dor também é variável para cada pessoa, para muitos, pode chegar a uma incapacidade de desempenhar as funções diárias. A dor pode começar de forma bastante leve, passando a um latejamento na medida em que há uma intensificação. Causada normalmente por esforços simples, como segurar um objeto, agachar-se, ou mesmo andar. A dor pode vir em forma de "pontadas" ou "fisgadas", acometendo principalmente a região dos olhos, têmporas, testa e mesmo o pescoço. Além de não raro aparecer na face, nariz, garganta e gengivas. Portanto, as causas da enxaqueca geralmente estão relacionadas à disfunções hereditárias, no que diz respeito à não liberação ou produção de substâncias químicas que são inibidoras da dor, como a serotonina. O indivíduo tem baixa produção desse neurotransmissor, por isso a dor se intensifica. Também são causadores da enxaqueca, certos alimentos e bebidas, como queijos envelhecidos, café, cerveja, vinho, frituras, gorduras entre outros. Além de hábitos, quanto a dormir mais ou menos que o habitual, não se alimentar por um longo período, variações bruscas de temperatura, stress e fatores emocionais. Na mulher, fatores hormonais em períodos pré-menstruais, aparecem como causadores da dor. O tratamento com a hipnose, utilizando-se a hipnoterapia, envolve principalmente o relaxamento, este tanto dos músculos da cabeça e pescoço assim como de todo o corpo, além do relaxamento mental, que também tem bons resultados os exercícios de imaginação, ou o próprio transe. Focalizando a atenção em algo que possa trazer a sensação de prazer, gerando assim uma liberação maior de endorfinas como a serotonina, o que pode trazer alívio e mesmo extinção da dor, sendo assim, se faz necessário também, buscar as causas reais da dor, pois pode ser um aviso de que algo não está bem. Destarte, de posse das informações sobre a origem da dor, é possível fazer um trabalho mais amplo, no sentido de solucionar o problema. A Hipnoterapia dispõe de várias técnicas para o tratamento das enxaqueca.

BALÃO GÁSTRICO HIPNÓTICO
BALÃO GÁSTRICO HIPNÓTICO

Partindo da premissa de que cérebro não distingue o real do imaginário, ele é atemporal e trabalha a todo instante para produzir o que ele visualiza, sendo assim, com a hipnose utilizando as técnicas psíquicas da hipnoterapia, auxilia o cliente paciente a conduzir sua mudança comportamental alimentar em algumas sessões, condicionando-o a adotar atitudes capazes de mudar hábitos antigos e cristalizar os novos. Essa mudança de pensamento é fundamental para a perda de peso. Emagrecer é mudar o relacionamento com a comida. O que nos faz comer não é o nosso estômago, e sim a nossa cabeça. Modificando nossa mente, trabalhando as razões que estão atrás do excesso de peso, você irá emagrecer e se manter magra(o). Portanto, após algumas sessões buscando a mudança alimentar se faz necessário utilizar a técnica imaginária de visualização mental do cérebro para a introdução do balão gástrico imaginário, vale esclarecer que durante o transe hipnótico a potencialização de imagens faz com que o cliente paciente, sinta, acredite, visualize e ouça tudo que diz a ele, criando a sensação e ambiente propício para à eficácia da técnica, que consiste em implantar no estômago do paciente um Balão Imaginário que irá preencher um determinado espaço, dando a sensação de sacies, de estômago satisfeito, diminuindo a quantidade de alimentos em suas refeições. Assim, a pessoa reduz o seu peso de forma gradual e segura. O Balão Imaginário é um método que foi desenvolvido em 2010, baseado no sucesso do procedimento com a britânica Marion Corns que eliminou 25 kg com hipnose no sul da Espanha, na clinica Elite. Depois de muitos estudos, testes em grupos e individuais, criou-se o procedimento - Balão Imaginário, com o objetivo de auxiliar pessoas a eliminarem peso e manterem-se magras. Por que a hipnose funciona? Uma das hipóteses mais aceitas é a de que, durante o transe, o sistema límbico, região do sistema nervoso responsável pelas imagens e emoções, deixa de enviar informações para o córtex, região do cérebro que cuida da consciência e do raciocínio. Assim, nosso lado consciente fica sem reservas e por isso, totalmente vulnerável às sugestões do hipnotizador. O cérebro passa a focar uma coisa e se desliga do resto, como acontece quando você lê um livro, assiste a um filme ou ouve uma música. Transformada em show circense, a hipnose ganhou má fama e perdeu credibilidade. Hoje, é reconhecida como um recurso terapêutico importante por instituições de renome, como o Hospital A. C. Camargo, especializado na luta contra o câncer, para aliviar os efeitos colaterais da quimioterapia, e no Hospital das Clínicas, ambos em São Paulo, no tratamento de dores crônicas. Sumariando, alimentar-se para viver melhor e com qualidade, conquistar com segurança o seu peso ideal, trabalhar a sua mente para uma alimentação equilibrada e saudável, são objetivos atingíveis que trarão de volta a sua autoestima e bem estar consigo mesma. Nesse rumo, pretendemos alcançar um peso magro, para isso precisamos nos comportar como magros. Mais do que isso: precisamos aprender a lidar com as nossas emoções e sentimentos, e reeducar nossa mente.

DROGAS
DROGAS

Iniciamos aqui argumentando que toda e qualquer substância, seja ela sintética ou natural, podendo ser introduzida ou ingerida no corpo modifica ou altera suas funções, é considerada uma droga e quase todos ou a sua maioria são bastante nocivas ao organismo, alteram as sensações, o humor e o comportamento do usuário. As drogas estão classificadas basicamente em três categorias: as estimulantes, os depressores e os perturbadores das atividades mentais. Aludidas drogas podem ser absorvidas de diferentes formas: por injeção, por inalação, via oral, injeção intravenosa ou aplicadas via retal (supositório). O vício se caracteriza pelo consumo repetido e periódico de drogas, que pode ser observado por:       1) - Forte desejo ou compulsão para consumir a substância;         2) - Dificuldade no controle de consumir a substância: início, término ou níveis de consumo;    3) - Estado de abstinência fisiológica, quando o uso cessou ou foi reduzido;                              4) - Evidência de tolerância, de tal forma que doses crescentes da substância psicoativa são requeridas para alcançar efeitos originalmente produzidos por doses mais baixas;                        5) - Abandono progressivo de prazeres ou interesses alternativos em favor do uso da substância psicoativa, aumento do tempo necessário para obter ou tomar a substância ou para se recuperar dos seus efeitos;          6) - Persistência no uso da draga, a despeito de evidência clara de consequências manifestamente nocivas. Contudo, o tratamento com a hipnose, utilizando as ferramentas psíquicas da hipnoterapia, se inicia com a classificação de dados do paciente, com este dados, o diagnóstico das possíveis causas que levaram e levam este paciente a ingerir drogas. Portanto, é necessário buscar as causas e motivações primeiras, romper o que foi estabelecido, mesmo inconscientemente. Nesse rumo e a partir disso, munir o paciente com ferramentas que lhe deem a possibilidade de combater o vício, na real intenção de mudar seus hábitos, seu estilo de vida e a forma de buscar prazer, que sejam saudáveis.

ESQUECER ALGUÉM
ESQUECER ALGUÉM

Esquecer alguém - Superar o fim de um romance, principalmente se a decisão pelo término não foi sua, não é tarefa das mais fáceis. E em muitos casos, quanto mais você quer apagar alguém da cabeça, mais a lembrança dos momentos vividos insiste em perturbar, causar dor emocional, pessoas marcam, algumas negativamente outras positivamente. Quando terminamos um relacionamento e passa muito tempo depois, você não consegue esquecer essa pessoa, essa dor emocional causa em você angustias, você fica sem vontade de comer, dormir, trabalhar, sente um vazio, perde a concentração em tudo o que faz, essa pessoa não sai da sua cabeça, todo esse sentimento causa em você uma situação negativa e VOCÊ QUER ESQUECER ESSA PESSOA PARA CONTINUAR SUA VIDA, com tratamento da hipnose utilizando como ferramenta a hipnoterapia todas as pessoas que estão vivenciando essa situação podem e conseguiram sair desse estado mental e emocional em pouquíssimas sessões.

REGRESSÃO DE VIDAS PASSADAS
REGRESSÃO DE VIDAS PASSADAS

Você sabia que traumas, angústias e fobias podem ser resolvidos com a terapia de vidas passadas (TVP), também conhecida como terapia de regressão de memória? Muita gente torce o nariz quando escuta falar de regressão, mas saiba que essa é uma técnica psicoterapêutica que pode trazer mudanças significativas na vida pessoal, social ou profissional.


Regressão e terapia de vidas passadas: o que é verdade e o que é mito?

Em primeiro lugar, é necessário esclarecer o que é a terapia de vidas passadas. Trata-se de uma terapia em que o paciente faz uma regressão a momentos do passado, sejam recentes, da sua infância ou até de antes do nascimento (ainda no útero). Muitos psicólogos utilizam essa forma de terapia para ajudar seus pacientes na resolução de diferentes tipos de problemas.

O que incita a polêmica sobre a terapia de regressão de memória é sua associação com "vidas passadas", que causa um embate com a crença religiosa de muitas pessoas. Quando se fala em regressão, ou terapia de vidas passadas, a ideia é levar a atenção do paciente a um nível mais profundo de sua mente para acessar fatos do passado e conseguir, dessa forma, solucionar problemas, bloqueios e sofrimentos do presente. Há autores que relatam que seus pacientes conseguiram acessar memórias de vidas passadas. É o caso do livro "Muitas Vidas, Muitos Mestres", do psicoterapeuta Brian L. Weiss, em que uma mulher, na terapia, visualiza suas 86 vidas passadas e consegue descobrir por que sofre de síndrome do pânico. Acreditar ou não em vidas passadas ou reencarnação não altera em nada os benefícios que a terapia da regressão pode propiciar na vida dos pacientes. Cabe ao paciente apenas querer ter acesso a essas informações tão bem guardadas em sua mente.

TIMIDEZ
TIMIDEZ

A timidez é uma sensação de impotência para atuar na presença de outras pessoas. Tal medo vem pelo fato de não confiar em si mesmo e nos outros. O indivíduo não consegue se expor pelo medo de opiniões contrárias ou desfavoráveis sobre sua pessoa. Sente-se inseguro e tem muito medo de fracassar. As causas podem ser uma predisposição genética, mas principalmente por fatores culturais, como a superproteção dos pais, e mesmo educacionais. A timidez pode aparece em qualquer situação social, ou situacional. Também em situações específicas, como por exemplo, ser um ótimo ator, porém na vida privada não consegue se relacionar de forma saudável com as pessoas. A timidez é um mal silencioso. Pelo fato de ser tímido, o paciente acaba não buscando ajuda, e por isso sofre sozinho ou demora muito para buscar ajuda externa. As pesquisas nos mostram que os tímidos acabam tendo muitas perdas e deixam de experimentar ou aproveitar diferentes oportunidades em termos pessoais e profissionais. Dificuldades tais como: namoram menos, casam-se mais tarde, tem menos filhos, progridem menos no emprego, acabam usando álcool e drogas como estimulante e desinibidores, se isolam mais, possuem sentimento de inadequação e acabam desenvolvendo mais doenças em relação às pessoas desinibidas. O tratamento com hipnose pode ser iniciado com o fornecimento de instrumentos para o desenvolvimento pessoal do paciente. É necessário modificar o ciclo de constantes fracassos sociais. Verificar quais são as limitações reais, e o que pode ser superado. Na hipnose, é possível desenvolver novas formas de pensar, e aprender a lidar com as dificuldades de forma saudável. Pode-se desenvolver aprendizagens a partir da pseudo-orientação no futuro ou progressão de idade. Fenômenos da hipnose que colocariam o paciente em situações futuras de sucesso social em diferentes ambientes, pessoal e profissional.

AUTOESTIMA
AUTOESTIMA

A autoestima significa o quanto a pessoa se estima, quanto amor tem a si mesma, como ela vê sua imagem, alguém feliz ou triste, feia ou bonita, como se autoavalia, capaz ou incapaz, de sucesso ou insucesso. A baixa autoestima vem principalmente da crença de que não se pode errar. Muitos pacientes apresentam pensamentos de que não são capazes e que nunca serão como as outras pessoas, por ele consideradas melhores.

O quanto o indivíduo ama a si mesmo determinará em muito a sua forma de portar-se frente ao mundo, perante a si mesmo e as outras pessoas. Determinará o quão forte será, o quanto suas próprias idéias, pensamentos e sentimentos o conduzem, o fazem se mover em busca de seus objetivos, e o quanto os outros influenciam de uma maneira negativa ou positiva em sua vida , e as implicações dessas assimilações.

A cultura social e principalmente religiosa enfatiza e pode nos levar a agir muito direcionado ao "próximo", dando-lhe um valor demasiado, podendo influenciar em nossas atitudes e pensamentos em detrimento do eu. Sem dúvida, é importante respeitar o outro, fazer a ele o "bem", amá-lo, aceitá-lo como é, e ouví-lo, porém deve-se ter a justa medida, o equilíbrio para que o eu não seja suplantado. Fazer ou sacrificar-se pelo outro e esquecer de si mesmo não é saudável. As vezes a pessoa é tão influenciada a ponto de perder sua própria identidade ou camuflando a que tem. Quando se estima ou se ama apenas o que o outro tem ou é, não olhando a si mesmo, a probabilidade de decepções é maior.

Trabalhando com a hipnose e alguns conteúdos advindos da filosofia, pode-se desenvolver no indivíduo pensamentos direcionados a valores morais, afetivos, virtudes humanas, entre outros. Dando-lhe condições da busca de si, do que gosta, o que lhe faz bem, e até mesmo pensar sobre o porque de certas escolhas, transformando dificuldades em possibilidades. Quanto mais coisas nos fazem bem e nos dão prazer, maior será a probabilidade de sermos felizes e termos uma autoestima elevada.